Mapa Mental

 O que é um mapa mental e para que serve?

Um mapa mental é um diagrama que simula a estrutura lógica do nosso modo de pensar; assemelha-se a um neurônio. É usado para organizar visualmente as informações; é um método eficiente para melhorar a memorização e aprendizagem; é voltado para a gestão de informações e conhecimento; pode ser desenhados à mão ou no computador.

A figura abaixo ilustra exemplos de aplicações de um mapa para planejar, organizar, criar, inovar, comunicar, resolver aprender, e assim por diante.

Figura. Aplicações de Mapas Mentais

O mapa mental é hierárquico e mostra relações entre peças do todo; mapeia informações usando ramificações e mapas radiais; representa a percepção do ponto de vista de uma pessoa ou uma empresa sobre alguma coisa; é informal;  São conjuntos de palavras estruturadas pelo contexto mental da pessoa com mnemônicos visuais e, através do uso de cores, ícones e links visuais; é criado em torno de um conceito, desenhado no centro, ao qual são adicionadas relações com imagens, palavras e partes de palavras; deve ser feito como uma rápida descrição de um tema, cobrindo todas as características principais.

Como o mapa mental deve ser feito?

A figura abaixo ilustra um mapa mental para descrever as principais diretrizes para desenvolver mapas mentais.

Figura. Diretrizes para criação de mapas mentais

Tony Buzan, um grande promotor da ferramenta, sugere as diretrizes listadas abaixo, que são representadas na figura:

  • Inicie no centro com uma imagem do assunto.
  • Use imagens ou símbolos em todo o mapa mental.
  • Selecione as palavras-chave e as escreva usando letras minúsculas ou maiúsculas.
  • Coloque cada palavra e/ou imagem e em sua própria linha.
  • Conecte as linhas a partir da imagem central.
  • Use linhas centrais mais grossas e afine-as à medida que irradiam para fora do centro.
  • Use várias cores em todo o mapa mental, para a estimulação visual e também para codificar ou agrupar.
  • Desenvolva seu próprio estilo pessoal de mapeamento da mente.
  • Use ênfases e mostre associações no seu mapa mental.
  • Mantenha o mapa mental claro, usando hierarquia radial, ordem numérica ou contornos para agrupar ramos.

Você não necessariamente precisa usar todas as recomendações; essa é uma lista não exaustiva; não existe um mapa mental certo ou errado; não necessariamente você precisa usar imagens, mas elas ajudam (imagens valem mais do que mil palavras); os exemplos apresentados aqui podem ser ampliados com a criação de novas ramificações, no primeiro, segundo, terceiro e demais níveis, de acordo com o grau de detalhamento que  você necessite; neste particular, tomar o cuidado para não tornar o mapa muito complexo e para que isso seja evitado, uma boa prática é desdobrar um ramo mais complexo num outro mapa.

Quais os benefícios dos Mapas Mentais para o aprendizado?

O mapa mental reduz, simplifica e seleciona as informações que serão mais relevantes no que está sendo estudado; cria anotações; ajuda o cérebro a fazer novas associações mais rapidamente; melhora as conexões entre os conceitos-chave e torna a criatividade mais fluente. Veja a figura abaixo.

Figura. Benefícios de Mapas Mentais

As razões que fazem o mapa mental uma ferramenta efetiva de aprendizado, são muitas. Veja alguns destaques:

  • Precisa que entendamos o assunto antes para poder fazê-lo; testa o entendimento no processo; identifica lacunas a serem preenchidas no aprendizado;
  • São muito mais eficientes que as anotações típicas e lineares que estamos acostumados a fazer; o padrão linear expressa cada idéia em linhas e regras gramaticais (sujeito, verbo, predicado, …); as palavras chave ficam escondidas no meio de outras informações de menor informações semânticas (que geram significado) e isso atrapalha o cérebro fazer associações de conceitos;
  • As anotações lineares cansam, nos fazem entrar no modo zumbi (sonhar acordado), nos distraem; exigem muito esforço para pouco resultado; usam muitas palavras; é um método  baseado em transcrição e sintetização, que é mais fácil, não necessita de compreensão, que o torna ineficiente em termos de armazenagem, retenção e recuperação do conhecimento;
  • Os mapa mentais seguem uma forma mais natural do cérebro organizar e processar ideias; proveem uma noção espacial melhor, imagens, cores e visão do todo e hierarquia; dão mais prazer; exigem concentração para conversão de uma mídia totalmente diferente do mapa mental;
  • Os mapas mentais exigem mais concentração e atenção; usam palavras chave; necessitam de maior potencial criativo do nosso cérebro – ensinar primeiro para nós mesmos; isso facilita repasse do conhecimento, mesmo que seja para nós mesmos; as anotações são produzidas com outro tipo de mentalidade;

Mapas Mentais e Mapa Conceituais: qual a diferença?

Os mapas mentais diferem dos mapas conceituais em que os mapas mentais se concentram em apenas uma palavra ou idéia, enquanto mapas conceituais conectam várias palavras ou idéias. Além disso, os mapas conceituais geralmente têm rótulos de texto em suas linhas / braços de conexão. Os mapas mentais baseiam-se em hierarquias radiais e estruturas de árvores que denotam relações com um conceito central de governo, enquanto mapas conceituais são baseados em conexões entre conceitos em padrões mais diversos. No entanto, qualquer um pode fazer parte de um sistema maior de base de conhecimento pessoal .

Palavras chave associadas aos mapas mentais: diagrama, estrutura, lógica, modo de pensar, organização visual, método, ferramenta, memorização, simplificação,  conceitos, idéias, palavras, imagens, descrição, características, informações, conhecimento, aprendizagem, planejamento, criatividade, inovação, comunicação, resolução de problemas,  relevância,  associações, velocidade, fluência.


Saiba mais. Aprender a AprenderComo se tornar mais inteligente?Ferramentas CognitivasConceitos, Definições e Palavras ChavesPerguntasMapa MentalMapa Conceitual.


 

Os comentários estão fechados.

Navegação pelos artigos