Mapa Conceitual

O que é um mapa conceitual e para que serve?

Um mapa conceitual  é um diagrama que ilustra relações sugeridas entre conceitos. É uma ferramenta gráfica usada para organizar e estruturar o conhecimento , ou uma maneira de desenvolver o pensamento lógico e habilidades, revelar conexões e ajudar a ver como as ideias e conceitos individuais formam um todo maior.

Conceitos e Proposições

Um mapa conceitual tem como objetivo representar relacionamentos significativos entre conceitos em forma de proposições; proposições são dois ou mais conceitos conectados por palavras numa unidade semântica (unidade com significado)

Na sua forma mais simples, um mapa conceitual tem dois conceitos conectados com uma palavra (normalmente um verbo) para formar uma proposição; por exemplo, “a flor é branca” pode representar um mapa conceitual simples formando uma proposição válida sobre os conceitos “flor ” e “branca”.

A grande maioria dos significados dos conceitos adquiridos pelo ser humano são via proposições nas quais os significados dos conceitos estão embutidos. A regularidade dos rótulos de conceitos fornece significado adicional, através das proposições. Por exemplo, “flor é cheirosa”, “flor é bela”, “flor é órgão de reprodução da planta”, “flor tem cor”, “flor tem nome”, “flor tem forma”, “a rosa é uma flor”, levam a aumentar o significado e precisão do que é uma flor.

Mapa conceitual é uma ferramenta parar identificar escopo, foco, road map e sumário de aprendizado

Os mapas conceituais trabalham para deixar claro para estudantes, professores, aprendizes e empresas, um pequeno número de ideias que eles devem focar para uma atividade específica de aprendizado; também fornece um tipo de “road map” dos caminhos que podemos tomar para conectar significados de conceitos  em proposições; após uma tarefa de aprendizado ter sido completada; mapas conceituais fornecem  um sumário esquemático do que foi aprendido.

Mapa conceitual e teoria do aprendizado significativo

O mapa conceitual, foi originalmente baseado na teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel, quando uma nova informação adquire significado através de uma ancoragem em aspectos relevantes da estrutura cognitiva preexistente do indivíduo; há uma interação entre o novo conhecimento e o já existente e ambos se modificam. À medida que o conhecimento prévio serve de base para a atribuição de significados à nova informação, ele também se modifica. O processo é dinâmico; o conhecimento vai sendo construído.

Mapa conceitual e hierarquia entre conceitos

Devido ao fato do aprendizado significativo proceder mais facilmente quando novos conceitos ou significados de conceitos mais específicos são submetidos sob um conceito maior, o mapa conceitual deve ser hierárquico; isto é, os conceitos mais gerais ou mais inclusivos devem ser posicionados no topo do mapa e os conceitos mais específicos ou menos inclusivos devem ser posicionados abaixo deles; exemplos ou eventos podem ser incluídos de acordo com o contexto.

Figura. Mapa conceitual para a água. Mostra conceitos e proposições da água; alguns exemplos específicos (linhas pontilhadas, sem seta) podem ser incluídos para facilitar o aprendizado e contextualizar o mapeamento.

Mapa conceitual e configurações

Não necessariamente, mesmos conceitos terão mesmas proposições e configurações; diferentes segmentos e pessoas podem ter configurações de mapas conceituais diferentes, para diferentes perspectivas, mas os significados deverão ser consistentes entre si, ou seja não existir conflitos entre conceitos. Os dois mapas conceituais da água a seguir ilustram essa característica necessária.

Figura. Mapas conceituais para a água com configurações diferentes – ilustrar a flexibilidade dos mapas conceituais para retratar diferentes perspectivas.

Mapeamento de conceitos pode ser uma atividade de desenvolvimento da criatividade 

Mapeamento conceitual é uma técnica para externalizar conceitos e proposições. Indubitavelmente, nós podemos desenvolver novas relacionamentos de conceitos no processo de desenvolver mapas conceituais, especialmente se nós procurarmos ativamente relacionamentos proposicionais entre conceitos que não foram previamente reconhecidos como relacionados: estudantes e professores na construção de mapas conceituais frequentemente apontam que reconhecem novos relacionamentos e, portanto, novos significados (ou que conscientemente percebiam antes do mapeamento).

20 Benefícios e Aplicações dos Mapas Conceituais 

Veja na sequência as várias áreas e aplicações em que o mapa conceitual pode facilitar a nossa vida:

  1. Fornecer formas visuais eficientes para entender, produzir e representar o conhecimento.
  2. Resumir conceitos chave, seus relacionamentos e hierarquias.
  3. Preservar e reter o conhecimento institucional.
  4. Transformar conhecimento tácito (prático) em conhecimento organizacional.
  5. Mapear o conhecimento de equipes.
  6. Modelar o conhecimento de forma colaborativa.
  7. Facilitar a criação de visão e compreensão compartilhada.
  8. Transferir conhecimentos especializados.
  9. Comunicar ideias e argumentos complexos.
  10. Detalhar a estrutura inteira de uma ideia para a análise de outra pessoa.
  11. Desenhar cenários conceituais para a informação e aprendizagem subsequentes.
  12. Aumentar a metacognição (aprender a aprender e pensar sobre o conhecimento).
  13. Desenvolver habilidades de raciocínio de alto nível, incluindo habilidades analíticas.
  14. Recuperar e processar informações.
  15. Ajudar as pessoas a externar conhecimentos e mostrar sua compreensão.
  16. Explícitar o conhecimento e relacionamentos entre conceitos e aprimorar a compreensão.
  17. Atender a diferentes estilos de aprendizagem.
  18. Ajudar a organizar conhecimentos.
  19. Cooperar e aumentar a interação social, a comunicação e o trabalho em equipe colaborativo.
  20. Poder ser usado ​​em diferentes áreas de conteúdo e com pessoas com diferentes conhecimentos e habilidades.

Outras formas de representação de significados. Mapas conceituais (conceitos e proposições) são uma forma de representação de significados e existem muitas outras; por exemplo, fluxogramas geralmente são utilizados para representar sequência de atividades; organogramas são usados para representar hierarquias de unidades administrativas e/ou funções; diagramas circulares e árvores de decisão são outros exemplos. No entanto, nenhuma dessas formas de mapeamento mencionadas são baseadas na teoria do aprendizado e teoria do conhecimento, que buscam a melhoria do processo educacional. O uso sistemático de mapas conceituais, melhora o processo educacional e de pesquisa.

Mapa Conceitual vs Mapa Mental. O mapa conceitual difere do mapa mental que se concentra numa palavra ou ideia. Os mapas mentais são baseados em hierarquias radiais e estruturas de árvores que denotam relacionamentos com um conceito central, enquanto que os mapas conceituais são baseados em grafos, com conexões não hierárquicas. Entretanto, qualquer um pode compor uma base de conhecimento pessoal.


Saiba mais. Aprender a AprenderComo se tornar mais inteligente?Ferramentas CognitivasConceitos, Definições e Palavras ChavesPerguntasMapa MentalMapa Conceitual.


 

Os comentários estão fechados.

Navegação pelos artigos