Ficha Técnica do PaaS

Quais são as características, público alvo e aplicações do PaaS?

Descrição:Provê plataforma virtual que roda sobre uma infraestrutura virtual (IaaS).

 

Público Alvo:Desenvolvedores de Aplicações.

Capacidade: Prover um ambiente para implantar aplicações adquiridas ou criadas pelo consumidor (o desenvolvedor) usando linguagens de programação e ferramentas suportadas pelo provedor.

Controle: O usuário tem controle sobre os aplicativos implantados e, em alguns casos, sobre a configurações do ambiente de hospedagem da aplicação. O usuário não controla a infraestrutura de nuvem que suporta o serviços – ex: rede, servidores, sistemas operacionais, ou armazenamento.

Aplicações:O provedor entrega além da infraestrutura todo um conjunto de aplicações instaladas em servidores virtuais. Essas aplicações compõem o chamado solution stack que é o conjunto de todas as ferramentas necessárias para desenvolvimento de aplicações. Essas ferramentas vão desde o sistema operacional, aplicações de servidor Web, linguagem de programação e até ferramentas de banco de dados.

Adequado: para desenvolvimento de software onde vários desenvolvedores e usuários colaboram e os serviços de implantação e testes devem ser automatizados.

Inadequado: nos casos de necessidade de portabilidade da aplicação, quando as linguagens de programação proprietários são utilizados, ou quando o hardware e software que suportam a aplicação  precisem ser personalizados para melhorar o desempenho da aplicação. O desenvolvedor ficar restrito a uma plataforma de desenvolvimento, vinculada a um tipo de sistema operacional. Diante disso, existe uma variação do PaaS chamada OaaS, Open Plataform as a Service, que a oferta um ambiente de desenvolvimento aberto.

Observação 1. A grande vantagem do PaaS é que o desenvolvedor fica focado somente no desenvolvimento. Atividades como manutenção e atualização de softwares ficam totalmente sob responsabilidade do provedor.

Observação 2. O Desenvolvedor tem duas escolhas quando necessita publicar seus conteúdos. Primeiro ele pode hospedar as páginas nos seus próprios servidores web, os quais podem requerer suporte e manutenção de hardware. Segundo, podem hospedar os arquivos num servidor que reside num provedor de serviço na Internet ISP – Internet Service Provider – que permite o desenvolvedor focar no desenvolvimento das páginas web ao invés de gerenciar servidores. Hoje isso pode ser feito a um custo bem atraente.


 

Os comentários estão fechados.

Navegação pelos artigos